O caderno Rio publicou em reportagem: “Um trecho de 600 metros às margens da Baía de Guanabara, no Centro do Rio, será reaberto ao público até dezembro, depois de passar 252 anos restrito a militares, conta Rafael Galdo. A área da Marinha, parte da nova frente marítima, liga as proximidades da Candelária à Praça Mauá. Nesse passeio, o carioca poderá apreciar um ângulo do Mosteiro de São Bento antes só visto da Perimetral, que foi demolida. Os cariocas estão prestes a redescobrir uma paisagem à beira-mar que, por 252 anos, ficou restrita à Marinha, na área do I Distrito Naval. Das imediações da Candelária à Praça Mauá, às margens da Baía de Guanabara, contornando o Morro de São Bento, o trecho de orla vai ganhar calçadão e jardins, integrando a nova frente marítima do Centro — um caminho contínuo de 3,5 quilômetros, do Museu Histórico Nacional ao futuro boulevard da Zona Portuária. O passeio como um todo será concluído em 2016, antes das Olimpíadas. Até o fim deste ano, porém, os cerca de 600 metros hoje só acessíveis aos militares e seus convidados já deverão ser abertos ao público, encurtando caminhos diante de uma paisagem escondida por décadas. As obras já estão em andamento, seguindo o traçado da extinta Perimetral (construída entre os anos 1950 e 1970 e que, até ser demolida, entre 2013 e 2014, passava por cima e encobria essa faixa junto ao mar). Mas já se revelam ali diferentes olhares sobre o Rio, embora em meio ao bate-estaca e à poeira. Do novo passeio, a arquitetura do Museu do Amanhã, em construção no Píer Mauá, se apresenta exuberante. Ao mesmo tempo em que a imponência do Mosteiro de São Bento, uma das mais antigas construções do Rio, do século XVII, volta a se destacar no cenário, num ângulo que, por quase meio século, só era visto de relance por quem passava pelo elevado, e, mesmo assim, por trás do gradil que cercava a via no trecho do I Distrito Naval — uma exigência da Marinha à época para proteger suas instalações militares”. Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/Rio/Reportagem: Rafael Galdo/29/03/15