Segundo matéria do caderno Rio, “as favelas do Rio estão na mira do arquiteto japonês Shigeru Ban, conhecido mundialmente por trabalhar com técnicas de construção de casas para vítimas de desastres, como o terremoto que atingiu o Japão em 2011. De passagem pela cidade — para  discutir com a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, detalhes de um projeto de uso de madeira cortada ilegalmente na Amazônia —, Ban faz planos de, no futuro, conhecer uma comunidade  e estudar formas de construção adequadas para erguer casas para vítimas de enchentes. — Fui convidado pela ministra para o projeto quando estive  aqui para a Rio+20, e estou muito entusiasmado porque ele é desafiador. Vou trabalhar com materiais diferentes, para a construção de um centro de visitação na floresta que vai incrementar o ecoturismo. As árvores já estão cortadas, infelizmente. Mas é bom poder levá-las de volta à comunidade com alguma função — explica Ban, que tem projetos em áreas de desastres de Índia, Turquia, China, Haiti, Itália e Sri  Lanka, a maior parte com estruturas de tubos de papel reciclado. — Não estou interessado em fazer prédios para  ganhar dinheiro, mas em grandes desafios. E espero  poder fazer algo no Rio também. Ninguém me convidou ainda. Mas eu gostaria de trabalhar com casas em favelas. Não sei se com papel  reciclado. Preciso estudar a realidade do lugar. Desenvolvi  outras estruturas que podem ser usadas, como sanduíches de poliuretano e espuma  para isolar o calor”. Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/ Rio/ Reportagem: Paula Autran/ 13/09/13