Segundo a coluna Design Rio, “em 1870, um grupo de comerciantes da Corte decidiu reverenciar D. Pedro II, numa comemoração pelo fim da Guerra do Paraguai. Trataram, então, de correr uma lista e arrecadar um bom montante de contos de réis para construção de uma estátua do Imperador montado a cavalo. Ao saber da intenção do presente da Associação Comercial do Rio de Janeiro, D. Pedro II recusou o monumento e sugeriu que o dinheiro fosse usado na construção de algo que ele considerava mais valioso: edifícios para abrigar o ensino público. Nasciam, assim, as escolas do Imperador. A Escola Municipal Gonçalves Dias, inaugurada em 1872, com o nome de Escola São Cristóvão, foi uma das primeiras e ainda hoje está em funcionamento. Atualmente, cerca de 800 alunos, do 6º ao 9º ano e do Programa de Educação de Jovens e Adultos, estudam no prédio histórico. Tombada pelo município em 1990, a unidade, situada no Campo de São Cristóvão, foi a segunda escola pública da cidade a ser concluída, ao custo de 90 contos de réis. A primeira, entregue dois meses antes, foi a São Sebastião, demolida com a construção da Avenida Presidente Vargas, em 1938. — Com a demolição da São Sebastião, ela passa a ser a mais antiga Escola do Imperador e é a mais antiga ainda em funcionamento. Trata-se de um importante marco da arquitetura e da história da cidade, pois foi um dos primeiros prédios feitos especialmente para o ensino público na cidade do Rio. Antes, só havia salas-escolas, que funcionavam em prédios da iniciativa privada. Lá, funcionou uma escola-modelo, que recebia estudantes do Instituto de Educação para estagiar — explica Márcio Brigeiro, professor de História da Escola Municipal Gonçalves Dias, que, desde 2012, pesquisa informações sobre a instituição. Segundo Brigeiro, as duas escolas foram projetadas pelo mesmo escritório de arquitetura e engenharia,o Ballariny & Bosísio, e erguidas simultaneamente, com projetos arquitetônicos muito semelhantes”. Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/Rio/Design Rio/Reportagem: Paula Autran, Simone Candida e Ludmilla de Lima/13/04/14