O blog da Lu Lacerda publicou coluna da Márcia Müller: “Mesmo ainda que não tão frio assim, sentar em frente à lareira e ver o fogo aceso … Como isso é bom!! Reunir amigos em volta, toma  um vinho, tudo isso combina muito com estar feliz em casa. A imagem da lareira acesa imediatamente nos faz lembrar de como é bom ficar em casa num dia frio, com os amigos, ou mesmo com um bom livro. Lareira complementa, aquece, agrega, e é também um excelente antimofo natural. Para as nossas casas tropicais e o nosso clima úmido, recomendo uma sempre que posso. Projetar uma lareira requer, antes de tudo, uma técnica precisa. Aberturas e angulações, altura correta da chaminé – itens superimportantes para que a fumaça não retorne – materiais térmicos e antifogo por motivos óbvios! Mexer com fogo é bem sério; em casa então nem se fala. Das duas lareiras que projetei, uma é bem moderna. Uma bancada de concreto segue na horizontal, duas chaises na lateral. A coifa ou chaminé fica suspensa; atrás, em uma parede curva, fica o parador para as lenhas. Eu gosto muito de ver as lenhas de topo, uma visão que possibilita ver o nó das madeiras naturais. Amo madeira e, por isso, valorizo tudo que envolve madeira, e, nesse caso, ver as madeiras assim parece uma escultura. Na outra mais clássica, o revestimento da parede em madeira de demolição com policromia (madeira vinda de um teto de fazenda antiga demolida) dá o diferencial à lareira. O acabamento dessa lareira, no encontro com a parede, é de ferro para que o calor do fogo não fique em contato com a madeira do revestimento. Existem lareiras prontas em ferro para serem revestidas, já quase prontas, mas, ainda assim, o olhar do arquiteto faz toda a diferença na composição no ambiente e no estilo. Nada, porém, se compara à sua forma pessoal e intransferível de usar e abusar desse elemento tão lúdico e confortável nesses dias de inverno tropical”. Leia mais no blog.

Fonte: Lu Lacerda/ 18/06/13

http://lulacerda.ig.com.br/em-casa-por-marcia-muller-ainda-no-inverno/