O jornal O Globo publicou um caderno especial sobre o Museu do Amanhã: “Alguns podem sair de lá perturbados. Outros, entusiasmados. Haverá aqueles que vão voltar para casa com uma imensa vontade de revolucionar, de mudar o curso da história. Uma coisa é certa: o público que visitar o Museu do Amanhã dificilmente sairá indiferente da experiência. E essa é a função do espaço: provocar, sacudir certezas, instigar reflexões sobre a vida que levamos e a que esperamos levar no futuro e mostrar que nunca o homem transformou tanto o planeta — em curtíssimo espaço de tempo, e com a força de um tufão. Um museu único, com acervo imaterial, de instalações surpreendentes e arquitetura de tirar o fôlego que vai descortinar um universo de questões e levar conhecimento, misturando poesia, arte, entretenimento e ciência. A narrativa que conduzirá o passeio pelo museu, desenhado pelo arquiteto espanhol Santiago Calatrava, parte de cinco perguntas: De onde viemos? Quem somos? Onde estamos? Para onde vamos? Como queremos ir? O visitante seguirá um roteiro com diferentes experiências, algumas sensoriais”. Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/Caderno Museu do Amanhã/Reportagem: Ludmilla Lima/17/12/15