O site da Casa Vogue publica em matéria: ““Não sou viciado em desenhar. Meus sketch books parecem um livro, porque têm mais escrita do que desenho.” A declaração é do designer Rodrigo Calixto e poderia surpreender aqueles que conhecem seu trabalho, caracterizado pela estética apurada, para além do acabamento impecável. Mas como, então, as palavras se transformam em móveis? “Tenho uma necessidade visceral de estar com as máquinas – é lá que o meu processo criativo se desenrola, o tempo todo”, entrega. O contato direto com o material é condição criativa para este talentoso designer, cuja conexão com a madeira remonta à infância e à adolescência, quando observava e ajudava o pai a exercer o hobby da marcenaria. Aos 17 anos, assim que começou a cursar desenho industrial na PUC-Rio, o acesso à oficina da faculdade fez com que ele pudesse se aproximar ainda mais. Apesar de tudo isso, Rodrigo é um autodidata na arte da marcenaria e sempre baseou sua evolução como designer-marceneiro em uma premissa: a da experimentação constante”. Leia mais no site.

Fonte: Casa Vogue/Reportagem: Winnie Bastian/Fotos: Daryan Dornelles e Divulgação/10/11/15

http://casavogue.globo.com/Design/Gente/noticia/2015/11/rodrigo-calixto-e-seu-trabalho-com-madeira.html