Jacira Pinheiro já sabia qual seria sua profissão desde criança, sempre observando os ambientes por que passava e desenhando casas. Em entrevista ao Radar Decoração, a arquiteta fala sobre a profissão e diz que essa capacidade de observação é importante para a carreira.

RD: Por que você escolheu essa profissão?
J.P: Meu pai é um apaixonado por arquitetura e sempre comprou revistas especializadas, e desde muito pequena eu brincava de desenhar as casas que estavam nessas revistas, ficava horas folheando as páginas e sempre falava que quando eu crescesse iria desenhar casas. Hoje também me lembro que eu observava tudo em minha volta, os restaurantes, hotéis, casas de amigas, tenho guardado em minha memória detalhes de azulejos, de escadas, que hoje comento em família e ninguém se lembra! Eu já sabia que seria arquiteta e não tive dúvida ao escolher a profissão. Aos 16 anos já estava cursando arquitetura.

 

RD: Como você define seu estilo e como foi o caminho que percorreu para desenvolvê-lo?
J.P: Amo arquitetura clássica. Quem estuda os clássicos é capaz de projetar qualquer estilo. O clássico é a base de tudo. Fui mudando ao longo dos anos e hoje sou eclética, gosto de misturar o contemporâneo com o clássico, materiais rústicos com móveis claros de linhas retas. O mais importante é projetar para o cliente, pois a casa é dele. É para ele que executo.

Interfiro porque é o meu papel conduzir o desejo do cliente de maneira estética e funcional. Gosto quando ao entregar um trabalho ouço “ficou a minha cara, você captou o que eu desejava”.

 

RD: De onde vem a sua inspiração?
J.P: De viagens, feiras, livros, revistas e  filmes… vem de todos os lados. O arquiteto é um observador nato e pequenos detalhes pode resolver um projeto que está parado. Muitas vezes eu pego um livro especializado, folheio e a resposta, a inspiração, está em um detalhe, em uma página. Quem cria está sempre inquieto e criar, algumas vezes, é angustiante.

 

RD: Forma, função ou emoção?
J.P: Os três juntos. A função é importante para que a arquitetura funcione para o homem, a emoção tem que existir porque sem ela não tem criação e a forma é o design, é o espaço projetado, é a estética.

 

RD: Qual o estilo da sua casa? O que você gosta de ter nela?
J.P: Minha casa é contemporânea com toques clássicos,  com objetos que contam a minha história, que vêm da minha família. Também gosto de luz, paredes claras, cortinas, e não pode faltar estante com livros.

 

RD: Que projetos acabou de entregar e gostaria de destacar?
J.P: Acabei de finalizar um projeto residencial, que adorei projetar.

Arquitetura contemporânea, em estrutura metálica, muito vidro e aço, pé direito duplo, piscina com borda infinita… Estamos finalizando os detalhamentos construtivos e interior. Estou empolgada, não vejo a hora de sair do papel e virar real, vai demorar um pouquinho para começar as fundações, ainda está em processo de legalização.

 

RD: Que projetos está fazendo atualmente e gostaria de destacar?
J.P: Meu escritório está na fase de execução dos projetos já aprovados, alguns na área corporativa e outros residenciais. Em fase de projeto, ainda em estudo preliminar, estou com um apartamento no Leblon e outro em São Conrado.

 

RD: Algum projeto que sonha em fazer e nunca fez?
J.P:Para cliente pessoa física, gostaria de projetar mais casas, pegar o terreno, estudar a topografia e projetar para uma família. É uma realização! Para área corporativa, hotéis.

 

RD: Quais vocês acreditam serem as peculiaridades do mercado carioca? Qual o papel ou importância do Rio dentro do mercado brasileiro de arquitetura  e decoração?
J.P: Acho que a peculiaridade do Rio de Janeiro é a evidente mudança no padrão financeiro da cidade. O dinheiro mudou de mão e o perfil do cliente também. A área empresarial está se instalando de maneira mais agressiva no Rio, exigindo profissionais com qualificação técnica para atender essa demanda. Com o avanço financeiro das pessoas, elas procuram  ambientes com beleza, design, funcionalidade, conforto e isso só a  arquitetura oferece.

O mercado de arquitetura cresceu e a grande prova disso é a existência do Casa Shopping, o maior shopping de decoração da América Latina, instalado na cidade e em expansão.

 

RD: Quem são seus designers de mobiliário favoritos?
J.P: Sergio Rodrigues e Irmãos Campana  e os clássicos Charles-Eames, Le Corbusier e Eero Sarinen.

 

RD: Qual o maior aprendizado nos anos de profissão?
J.P: Acho que é ter humildade! Trabalhamos com os sonhos das pessoas, que envolvem prazo e dinheiro. Tentar entender o desejo do cliente me ensinou que ouvir muito e observar é imprescindível para tornar realidade esse sonho.

 

Jacira Pinheiro Arquiteta
Tel.:  (21) 2132-8006
Centro Empresarial Città América, Av. das Américas – 700 – bloco 03 – sala 238. Barra da Tijuca / RJ.

www.jacirapinheiro.com

 

“Foto: Cadu Ribeiro”